Notas Medotológicas

Notas metodológicas

Chegar aos dados sobre violência de gênero no Brasil não é um percurso simples. Por isso, elaboramos notas metodológicas para os dois bancos de dados analisados no Mapa da Violência de Gênero, de modo a explicar o passo-a-passo que seguimos desde o primeiro contato com os dados até o momento de disponibilizá-los na plataforma. As notas estão disponíveis na seção Downloads.

Os dados referentes ao Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) estão disponíveis para download no Portal da Saúde. Neste levantamento utilizamos apenas as declarações de óbito por causas externas dos anos de 1996 a 2016. Optamos por nos restringir a estes anos, pois apenas a partir de 1996 os dados são padronizados de modo a formar uma série histórica. Isto é, com início em 1996 o SIM apresenta as mesmas variáveis para todos os anos a seguir. Os dados do ano de 2017 foram disponibilizados em data muito próxima ao lançamento do Mapa, por isso os dados ainda não estão disponíveis no site, mas  o tratamento destes dados já está sendo realizado para a inclusão.

Além disso, com o objetivo de realizar um Mapa da Violência de Gênero, analisamos apenas os óbitos de tipo “homicídio”, ficando de fora os óbitos por acidente, suicídio e outros, por não caracterizarem violência com recorte de gênero. A grande dificuldade no banco de dados do SIM foi o de recategorizar os dados para que fosse possível a elaboração de tabelas descritivas.

 Já os dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação não estão disponíveis para download no site do SINAN. Por isso foi necessário realizar um requerimento através da Lei de Acesso a Informação (LAI) para acessar aos dados. A solicitação dos dados feita por nós também está disponível em Downloads. A solicitação foi feita em 31/10/2018 e atendida com o envio dos dados em 20/11/2018. Além disso, antes de ter acesso aos dados foi necessário assinar um termo de responsabilidade no qual o Mapa se compromete a não disponibilizar os microdados, já que estes devem ser acessados apenas via LAI.

Os dados do SINAN analisados pelo Mapa se referem aos anos de 2014 a 2017. A seleção destes anos se dá no mesmo sentido que se deu com os dados do SIM: construir uma série histórica que permitisse a análise dos dados. Nos debruçamos apenas no tipo de notificação “individual”, ficando de fora as notificações negativa, de surto e de agregado, já que o objetivo é o de analisar somente as violências de gênero.