LGBT

Brasil teve 225 casos de violência contra pessoas LGBT+ por dia em 2017

Entre 2014 e 2017, o Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação) recebeu 12.112 registros de violência contra pessoas trans, cuja identidade de gênero foi classificada como transexual mulher, transexual homem ou travesti. Já em relação a pessoas cuja orientação sexual consta como homossexual ou bissexual e cuja identidade de gênero não foi identificada, foram 257.764 casos de violência no período. 

Em 2017, ano mais recente com dados disponíveis, 76% dos registros tratavam de violência física, tanto para pessoas homo/bi quanto para pessoas trans. Os casos de violência sexual foram 8% dos casos de violência contra pessoas trans e 4% contra pessoas homo/bi. 

Em média, chegaram ao sistema 11 casos de violência contra pessoas trans e 214 casos de violência contra pessoas homo/bi no país a cada dia de 2017. 

A taxa nacional de violência contra pessoas trans em 2017 foi de 2 casos a cada 100 mil habitantes, com oito Estados acima da média nacional: Tocantins (9), Roraima (7), Acre (5), Mato Grosso do Sul (5), Minas Gerais (4), Amapá (3), Alagoas (3) e São Paulo (3). Paraná, Goiás, Santa Catarina, Mato Grosso, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Espírito Santo e Piauí tiveram taxa igual à nacional (2) e Amazonas, Rondônia, Bahia, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Paraíba tiveram um caso a cada 100 mil habitantes. Pará, Ceará, Maranhão, Distrito Federal e Sergipe tiveram menos de um caso por 100 mil habitantes no Estado.

O Mato Grosso do Sul foi o Estado com maior taxa de violência contra pessoas homossexuais ou bissexuais em 2017: 91 a cada 100 mil habitantes, mais do que o dobro da taxa nacional, que foi de 41 por 100 mil. Acima da taxa nacional ficaram também Minas Gerais (75), Paraná (72), Tocantins (72), Acre (67), Espírito Santo (65), Santa Catarina (62), Rio Grande do Sul (54), São Paulo (52) e Roraima (43). Tiveram taxas menores do que o conjunto do país Pernambuco (34), Rio de Janeiro (28), Goiás (25), Mato Grosso (25), Amapá (25), Alagoas (23), Piauí (22), Amazonas (21), Rondônia (21), Paraíba (18), Ceará (17), Rio Grande do Norte (15), Distrito Federal (14), Bahia (14), Pará (12), Maranhão (10) e Sergipe (6).

*Próxima atualização dos dados prevista para setembro/2019.

Dados LGBT

 

Sudeste teve mais altas taxas do país de violência contra pessoas LGBT+ em 2017

Região foi “puxada” por Minas Gerais e São Paulo, que tiveram taxas acima do índice nacional de violência contra pessoas trans e contra pessoas homo/bi.



Dados LGBT

Nordeste foi região com menores taxas de violência contra LGBT+ em 2017 

Nordeste teve um caso de violência contra pessoas trans a cada 100 mil habitantes naquele ano e foi a única região com taxa menor do que a nacional.

Dados LGBT

Mato Grosso do Sul teve maior taxa do país de violência contra lésbicas, gays e bissexuais

Em 2017, Centro-Oeste teve 3 casos de violência contra pessoas trans e 35 casos de violência contra pessoas homo/bi a cada 100 mil habitantes.

Dados LGBT

Tocantins e Acre tiveram mais altas taxas do país de violência contra pessoas LGBT+ em 2017

Em 2017, três Estados da região Norte tiveram as mais altas taxas de violência contra pessoas trans no país.

Dados

Negras foram 84% das mulheres vítimas de estupro no Maranhão entre 2014 e 2017

Mulheres foram 74% das vítimas de violência física e 93% das vítimas de estupros registrados no Estado.